DISCURSO DO ACADÊMICO EMÉRITO MURILLO CÔRTES DRUMMOND

EM 21 DE MARÇO DE 2014 NA ESCOLA NAVAL


Iniciamos nessa data o “3º CONGRESSO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DA ACADEMIA

BRASILEIRA DE MEDICINA MILITAR E SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E

TRAUMATOLOGIA DO RIO DE JANEIRO, nada mais oportuno, face à importância do evento, do que

recepcionarmos os novéis Acadêmicos.


São em número de treze os que hoje empossados, um odontólogo, um farmacêutico e os demais

médicos, sendo que deles ocupará, pela vez primeira, a recém criada categoria de Aspirante.

Nossa Academia, embora tenha a designação de Academia Brasileira de Medicina Militar, é, na

verdade Academia das Ciências da Saúde, abrangendo todos os campos de assistência médica, e,

também, a designação de Militar não a restringe a esses profissionais. Médicos civis, dos de maior

projeção compõem seu selecionado congraçamento dos que dedicam seus conhecimentos em

benefício de seus semelhantes. São eles os verdadeiros defensores dos direitos humanos, direito a

vida e a saúde, e não àqueles que se apossam do símbolo, demagogicamente, defendendo

sociopatas e ignorando os atingidos pela sanha assassina, esses não são manchetes de periódicos.

Aqui, na Escola Naval, localizada na famosa Ilha de Villegagnon, berço dos mais valorosos

Marinheiros de nossa Pátria, somos recebidos com pompas, nessa memorável noite festiva, em

que são recepcionados Acadêmicos recém eleitos e, consagrados médicos, que por todos seus

valores, são agraciados com a Titulação de Eméritos.


Não poderia ser melhor o local dessa efeméride aqui na Marinha, que com as demais forças

singulares, Exército e Aeronáutica, bem como nas auxiliares, Polícia e Bombeiros, sempre se

posicionaram como defensoras do Sistema Democrático, o único compatível com a dignidade

humana, cumprindo com deveres constitucionais, combatendo ideologias espúrias e

ultrapassadas, que, ainda vingam em mentes ávidas de poder, desconhecendo princípios de ética,


em benefício de suas próprias agremiações, mesmo contra a liberdade e interesses da Nação. São,

então, criadas comissões, com óticas unilaterais, para análise de fatos que por sua natureza

deveriam ser olvidados em benefício da unidade de nossos compatriotas, evitando ódio e lutas de

classe e raciais, objetivo de uma Anistia Ampla Geral e Irrestrita.


A situação atual repete de forma inversa a 1964, os legalistas, na época, solicitados pela

população, que previa um caminho incompatível às aspirações da nação, intervieram (recordemos

a contribuição das mulheres brasileiras em marchas pela legalidade), evitando a continuação de

comícios extremistas, assaltos a bancos e residências particulares, seqüestro de embaixadores,

situações conflitantes, orquestrados por partidários de políticas internacionais. São hoje, os

legalistas, execrados, como passíveis de atos contra a integridade humana. São olvidadas ações

semelhantes, desencadeadas pelos então fora da legalidade, contra companheiros, que se

revoltaram com o rumo direcionado, contra indefensos sentinelas, escalados em repartições que

delas necessitavam. Esses extremistas compõem hodiernamente a dita legalidade, e como tal,

tentam desestabilizar as instituições, “mister” de seus desideratos, e, implantação de sistemas

políticos que a muito deixaram de ser o ideal para o povo e, que poucas nações os mantêm em

ditaduras escravocratas. Como é difícil compreender brasileiros que se cognominam patriotas,

acima de qualquer contestação, ignorarem o que é melhor para a Pátria, defendendo orientação

política de nações inquestionavelmente alheias aos Direitos Humanos e hostilizando as que

procuram manter um nível compatível com as aspirações do povo. É também questionável o amor

à Pátria daqueles que permitem o sucateamento, e, limitação de recursos às instituições, com

vetores direcionados a manutenção da Soberania nacional.


O século que se inicia demonstra espírito de globalização, envolvendo política e economicamente

as nações. Será profícua essa filosofia? Somente o fator tempo nos responderá, contudo, o

presente está sendo envolvido em amalgama complexa difícil de ser clivada, a termos resposta

satisfatória. A Ética, “Ethos”, “lugar próprio do homem” nos levará a incertezas, pois vislumbra a

felicidade do homem, e, é mutável com o tempo. Na Idade Média a Ética e a Moral (“Morale” –

relativa aos costumes) cursavam dentro das leis divinas e dos homens. Na era moderna o médico

era o dono da verdade, sua palavra respeitada. No período contemporâneo as decisões das

Equipes são as imperiosas. Na atualidade o acompanhamento é concomitante e evolução. A

Deontologia, do Grego, “conjuntos de condutas do médico no exercício da profissão” encabeçada

as decisões. A Vida não é poesia, é uma luta brutal. “Tende piedade dos que reduzem o Cosmos a


uma explicação, Deus a uma poção mágica, e o homem a um ser com necessidades básicas que

precisam ser satisfeitas”. (Paulo Coelho).


Os analisadores dos Títulos, Trabalhos, Comissões, Funções, Honrarias e Monografias, foram

constituídos de Acadêmicos de grande conceito profissional que, após acurado e minucioso

escrutínio, consideraram os candidatos à Academia, do mais alto gabarito. A Academia será

agraciada com altos valores das Ciências da Saúde.


Jubilosos, nós Acadêmicos, saudamos os confrades:


CMG (Md) Álvaro Figueiredo Bisneto - Monografia: “Aspectos de vulnerabilidade do crescimento

no adolescente”.


CMG (RM1-CD) Luiz Antonio Lopes Schettini - Monografia: “Efeitos da Obstrução Nasal e da

Respiração Bucal sobre o Desenvolvimento Craniofacial”.

Cel. Med. QEMA Theophilo José da Costa Neto - Monografia: “O Papel da Educação Corporativa na

Transmissão da Cultura Organizacional aos Médicos de Carreira do Exército Brasileiro”.


Cel Med. Aer. Eduardo Serra Negra Camerine - Monografia: “Retenção do Conhecimento Obtido no

Curso de Capacitação em Socorro Pré-Hospitalar Militar (CCSPHM)”.


Cel Med. Aer. Cloer Vescia Alves – Monografia: “Desenvolvimento de Um Sistema para

Quantificação da Desorientação Espacial”.

CF (Md) José Roberto Corrêa Macedo – Monografia: “Proposta para Implantação de um Banco de

Leite humano no Hospital Naval Marcílio Dias”.


Maj. Med. Aer. Fábio Amadeu Reis da Silva – Monografia: “A Osteoporose Causada pela Exposição

Crônica à Microgravidade”.


Prof. Dr. Paulo Sérgio Teixeira de Carvalho – Monografia: “Contribuição à Fisiopatologia dos

Meningeomas Macrocísticos”.


Prof. Dr. Mauro Alves – Monografia: “Sobrevida e Fatores Preditores da Letalidade em Pacientes

em Hemodiálise: O Papel dos Polimorfismos Genéticos”.


Prof. Dr. Vincenzo Giordano Neto – Monografia: “Existe Risco de Perfuração das Luvas Cirúrgicas

Durante a Sutura de Dupla Mão Usando o Fio de Poliéster? Estudo Experimental Controlado”.

Prof. Dr. Claudio Cerqueira Lopes – Monografia: “Desenvolvimento e Validação de um Método

Rápido para Quantificação de Cocaína e Metabólitos em Cabelo e Urina por Cromatografia Líquida

de Alta Eficiência Acoplada a Espectrometria de Massas Seqüencial (CLAE-EM/EM)”.


No recém criado capítulo de “Membro Aspirante” é o Cap. Med. Aer. Marcos Noberto Giordano o primeiro postulante a ocupá-lo. Apresenta currículo extenso, bem documentado, merecendo realce da Comissão Avaliadora quanto sua aptidão a integrar nosso Sodalício.


Os Patronos dos Acadêmicos Titulares são com suas respectivas Cadeiras:

Cadeira 5 - Dr. Antonio Ferreira do Amaral


Cadeira 17 – Dr. Flávio Augusto Falcão


Cadeira 18 – Dr. Francisco de Castro


Cadeira 25 - Dr. João da Silva Pires


Cadeira 34 – Dr. José Porfirio de Melo Matos


Cadeira 39 – Dr. Miguel de Oliveira Couto

Cadeira 41 – Dr. Oscar Pereira da Silva


Cadeira 42 – Dr. Oswaldo Gonçalves Cruz


Cadeira 75 – Dr. Saturnino Soares de Meirelles


Cadeira 84 – Dr. Arnaldo Nunes Serqueira


Cadeira 98 – Dr. Benjamin Constant Neves Gonzaga.


O término dessa festiva e brilhante cerimônia é coroado o com a posse, como Membros Eméritos,

de dois notáveis Acadêmicos, médicos com destaque no Brasil e Exterior, ícones em suas

especialidades, Cirurgia Endocrinológica e Nefrologia, Professor Dr. Pietro Novellino, atual

Presidente da Academia Nacional de Medicina, e o Professor Dr. Omar da Rosa Santos, dos mais

atuantes membros da Academia Nacional de Medicina, portador de impar distinção, ser pai de

destacado Professor de Dermatologia.


Se invocarmos grandes Filósofos, notadamente, Bergson, Helvécio, Kant, Schopenhauer, Nietzche,

Spinosa, que, em suas diferentes ópticas, sempre se dirigiram essencialmente ao ser humano,

como o élan vital, com o materialismo colocando o homem como criador da matéria, a ação sendo

boa por si mesmo, a vontade de viver, a vontade do poder, as virtudes como formas de habilidade

e poder. Chegamos a pensar o que fará a tenacidade humana, para chegar a um bem comum, se

houver dedicação e real interesse a construir um Mundo afetivo. Meditem, senhoras e Senhores

Acadêmicos, como os profissionais da saúde temos responsabilidade perante aqueles que em nos

confiam. Como marcaremos nossas presenças no massudo alfarrábio da vida?

“O Conhecimento só tem valor quando compartilhado” (Anatole Oliynik).

Sede Bem Vindos Senhores Confrades.

Prof. Dr. Murillo Côrtes Drummond

Neurocirurgia-Neurologia

CRM 52.00584-2

C.Alte (Md-Ref)