GENERAL DE DIVISÃO MEDICO
JOÃO SEVERIANO DA FONSECA

João Severiano da Fonseca nasceu a 27 de maio de 1836, na antiga cidade de Alagoas, hoje Marechal Deodoro (AL). Dos oito filhos homens do tenente-coronel Manuel Mendes da Fonseca e dona Rosa Maria Paulina da Fonseca - um deles, Manuel Deodoro da Fonseca, generalíssimo, proclamador da República e seu primeiro Presidente - foi João Severiano o único que não seguiu, de imediato, a carreira das Armas.


Matriculou-se na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e recebeu o grau de Doutor em 1860. Fizera-se médico por vocação, mas o amor pela farda impeliu-o ao Exército. A 20 de janeiro de 1862 ingressou no Corpo de Saúde, no posto de 2º tenente, como cirurgião. Somavam-se, nesse ato, o homem da ciência de curar e o valoroso soldado, que não se dissociaram nem quando foi promovido a general-de-brigada a 1º de maio de 1890, tendo sido o primeiro médico general do Exército Brasileiro.


João Severiano combateu pela Pátria e salvou vidas. Participou da Campanha do Uruguai, na qual prestou notáveis serviços médicos. Esteve presente em toda a Campanha da Tríplice Aliança, sendo figura constante nas linhas de fogo. Recebeu expressivos elogios pelo zelo, competência profissional e senso humanitário demonstrados. Ao longo de sua carreira, o militar e médico João Severiano recebeu diversas condecorações, chefiou a enfermaria da Escola Militar da Praia Vermelha e foi cirurgião-chefe do Hospital Militar da Corte. A 22 de abril de 1880 passou a integrar a Academia Imperial de Medicina como membro efetivo, sendo o primeiro militar agraciado com essa honra.


Sua inteligência e interesses variados fizeram com que também se interessasse por outras áreas do conhecimento. Em outubro de 1880 integrou-se ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Pertenceu ainda a várias outras agremiações literárias e científicas, entre as quais o Instituto de França; o Instituto Farmacêutico do Rio de Janeiro; as sociedades de Geografia do Rio de Janeiro, de Lisboa, de Madri; o Instituto Arqueológico Alagoano; o Ateneu de Lima e o Instituto Médico Brasileiro. Em 1890, elegeu-se senador. A 13 de julho de 1889 foi nomeado professor da cadeira de Ciências Físicas e Naturais do Imperial Colégio Militar. Faleceu a 7 de novembro de 1897.
 

O Patrono do Serviço de
Saúde do Exército